Imagem capa - Guiné Bissau por GabrielSarabando

Guiné Bissau

A Guiné-Bissau fazia parte do Reino de Gabu, bem como parte do Império do Mali. Partes deste reino persistiram até o século XVIII, enquanto algumas outras estavam sob domínio do Império Português desde o século XVI. No século XIX, a região foi colonizada e passou a ser referida Guiné Portuguesa. Após a independência, declarada em 1973 e reconhecida em 1974, o nome de sua capital, Bissau, foi adicionada ao nome do país para evitar confusão com a Guiné (a antiga Guiné Francesa) e a Guiné Equatorial (antiga Guiné Espanhola). Foi a primeira colónia portuguesa no continente africano a ter a independência reconhecida por Portugal.

Apenas 15% da população fala português (primeira ou segunda língua), estabelecido como língua oficial durante o período colonial. A grande maioria da população (90,4%) fala kriol, uma língua crioula baseada no português, enquanto o restante dos habitantes falam uma variedade de línguas africanas nativas. As principais religiões são as religiões tradicionais africanas e o islamismo; há uma minoria cristã (principalmente católica romana).

CLIMA

A Guiné-Bissau tem um clima predominantemente tropical com características marítimas, sendo muito quente e húmido e com duas estações distintas: a estação seca, de novembro a abril e a estação das chuvas, de maio a outubro. A temperatura média anual no país é de 27,7 graus. Na Guiné-Bissau, os meses mais frescos são os de dezembro e de janeiro e os mais quentes de março a maio. Já os meses mais pluviosos são os de julho e de agosto.


O que visitar na Guiné Bissau em 1 dia:

Bissau Velho

Forte de São José da Amura

Ilheu do Rei

MAUSOLÉU DE AMÍLCAR CABRAL, BISSAU

Mercado de Bandim

Praça dos heróis nacionais

Circuito em Quinhamel com visita à Artissal e à destilaria, com almoço de ostras e passeio pelos braços de rio e mangais (37km de Bissau)

Cidade de Cacheu – rota dos escravos: Memorial da Escravatura e Tráfico Negreiro de Cacheu e outras atrações (forte, igreja, cemitério) (100km de Bissau)

Cidade de Bafatá (150km de Bissau)

O que visitar na Guiné Bissau em 2 dias:

Parque Natural das Lagoas de Cufada: passeio de caiaque, caminhadas, passeio de barco pelo Rio Grande de Buba (223km de Bissau)

Praia de Varela (175km de Bissau) Visita à Floresta de Cantanhez onde se podem ver os chimpanzés na sua rotina diária e visita ao Museu da Independência da Guiné-Bissau, em Guiledje. Como ir: viagem de carro (258 Km a partir de Bissau)

O que visitar na Guiné Bissau em 3 dias:

Ilhas de Keré, Carache e Caravela. Como ir: saída de barco de Ponta Biombo

Visita à Ilha de Bolama e à sua capital, com o mesmo nome. Possibilidade de deslocação à Ilha de Galinhas numa piroga motorizada.

Visita à Ilha de Bubaque e com possibilidade de passeio até Rubane, Soga e Canhabaque em pirogas motorizadas ou botes privados a contactar localmente.

Ilha de Orango, conhecida pela sua comunidade de hipopótamos e visita ao mausoléu da Rainha Okinka Pampa, que governou os Bijagós até ao ano da sua morte, 1923.


Gastronomia

A cozinha tradicional guineense não nos deixa indiferentes pelos seus sabores, aromas, ingredientes e cores que usa. Uma cozinha simples, mas surpreendente.

Como pratos mais característicos, é de mencionar o Caldo de Chabéu (feito com óleo de palma, quiabos, carne ou peixe), o Caldo de Mancarra (caldo de amendoim com carne ou peixe), Sigá (confecionado com quiabos, carne ou peixe e camarões), Pitche-Patche de Ostras (arroz de ostras), Cafriela (galinha da terra ou carneiro grelhados com molho de limão, malagueta e cebola), caldeirada de cabrito ou cabra grelhada.

Os sumos naturais também são aqui muito famosos, destacando-se o sumo de cabaceira (feito com o fruto do embondeiro), o sumo de onjo (com folhas de bagitche), o sumo de veludo (fruto avermelhado, conhecido por ter algumas características medicinais), o sumo de fole (fruto de uma árvore trepadeira), o sumo de farroba (fruto da árvore pé de farroba), sumo de mandiple (feito com um fruto amarelo, proveniente de um arbusto com o mesmo nome) e os sumos de papaia, manga ou goiaba.


Festas e acontecimentos

JANEIRO:

20 – Dia dos Heróis Nacionais

23 – Dia dos Combatentes

30 – Dia da Mulher Guineense | Dia da morte de Titina Silá, heroína da luta da independência do país

FEVEREIRO:

Data móvel – Carnaval

JUNHO/JULHO:

Data móvel – Eid al-Fitr (fim do Ramadão)

AGOSTO:

03 – Dia dos Mártires do Colonialismo

Dia do Massacre do Pidjiguiti

SETEMBRO:

24 – Dia Nacional | Comemoração do dia da

Independência

SETEMBRO/ OUTUBRO:

Data móvel – Tabaski | Eid al-Adha ou Festa do Sacrifício


Tradições

O Carnaval é uma festa de grande tradição na Guiné-Bissau e, muito particularmente,

em Bissau. A vida da cidade paralisa durante três dias para ver desfilar grupos

de todo o país e de todas as etnias. É um fenómeno etnográfico de grande

significado, em que todas as tradições mais enraizadas saem à rua para se mostrar

e desfilar orgulhosamente nas avenidas de Bissau, participando no concurso organizado

pelas autoridades locais.